Governo do Estado investe mais de R$ 1 milhão em pesquisas sobre fenômenos extremos do universo
28/09/2021 - 10:08

O Governo do Estado, por meio da Fundação Araucária (FA) e da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) lançou, nesta segunda-feira (27), o Novo Arranjo de Pesquisa e Inovação (NAPI) Fenômenos Extremos do Universo. Serão investidos nas pesquisas e ações R$ 1.053.000,00.

napi universo

O objetivo é fortalecer a rede de pesquisadores já constituída e incentivar o seu crescimento para ampliar a presença paranaense na área de Astronomia no cenário internacional.

“Os benefícios para a sociedade são muitos já que a descoberta do que acontece no universo em altas energias e matéria, impacta no dia-a-dia da sociedade como é o caso do desenvolvimento de sensores e novas tecnologias na área da saúde e engenharias”, destacou a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Rita de Cássia dos Anjos, que integra a coordenação do NAPI.

Ao apresentar a estratégia NAPI, o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da FA Luiz Márcio Spinosa, ressaltou que uma característica deste NAPI é sua inserção internacional. “Este é um esforço de uma rede mundial de pesquisadores e a ideia dos NAPIs é de ser inclusivo. Portanto todas as instituições que puderem colaborar serão muito bem-vindas”, disse.

Segundo o professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Jaziel Goulart Coelho, que também integra a coordenação do NAPI, a Rede Paranaense de Pesquisa em Fenômenos Extremos do Universo atuando no Novo Arranjo de Pesquisa e Inovação irá contribuir para a construção e análise de dados do Observatório Cherenkov Telescope Array (CTA).

“Inovação tecnológica e impacto social são resultados garantidos desta proposta através da participação da indústria nacional na construção de estruturas para os telescópios e da realização de divulgação científica. Atualmente em construção, o CTA alcançará dentro de cinco anos, dez vezes mais sensitividade e precisão do que os experimentos atualmente em operação”, enfatizou o professor.

A rede de pesquisadores soma uma estrutura física e de equipamentos das universidades integrantes, bem como da constituição de uma equipe técnica e científica, altamente especializada em astrofísica e cosmologia. Permitindo, desta forma, contribuir no desenvolvimento científico das áreas de astrofísica, cosmologia, gravitação e instrumentação astronômica. Áreas que buscam uma imagem mais clara do funcionamento do universo. 

“Será uma média de cem telescópios, distribuídos em três tamanhos e o primeiro projeto do NAPI será uma estrutura por telescópio médio”, comentou a professora Rita de Cássia. 

Paulo Afonso Schmidt, da coordenadoria de Ciência e Tecnologia da Seti, destacou o alcance do NAPI Fenômenos Extremos do Universo como um marco para a ciência do Paraná. “É um orgulho para toda a comunidade científica e tecnológica paranaense poder compartilhar deste momento que inscreve, mais uma vez, o Paraná e seus pesquisadores em uma pesquisa de interesse mundial”, afirmou. 

A cerimônia de lançamento do NAPI pode ser conferida pelo canal da Fundação Araucária no YouTube.  
 

Últimas Notícias