Fundação Araucária

18/12/2019

Paraná quer ampliar incentivo à pesquisa aplicada e à inovação

O Governo do Estado tem como meta incentivar ainda mais a pesquisa aplicada nas universidades estaduais e no ecossistema de inovação em 2020. A afirmação foi feita pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior na abertura da reunião do Conselho Paranaense de Ciência e Tecnologia (CCT-PR), nesta terça-feira (17), no Palácio Iguaçu, na qual a Fundação Araucária também participou. O Conselho delibera sobre o uso dos recursos do Fundo Paraná.

O governador destacou que quer deixar como legado a aproximação do setor produtivo com as universidades e a administração pública, por meio de investimentos diretos e cooperação. Ele também ressaltou o objetivo de fazer do Paraná o Estado mais inovador do País. “Temos vocação, ambientes acadêmicos nas universidades estaduais, federais e privadas, um setor produtivo forte com investimentos em ciência e tecnologia, um cooperativismo que está na vanguarda da biomedicina animal, e aproximamos a tecnologia do poder público com o Governo 5.0”, afirmou Ratinho Junior.

“O grande norte é fazer com que entidades ligadas à ciência e tecnologia incentivem a pesquisa aplicada, aquela que pode ajudar as empresas a inovar, empreender, achar soluções para o mercado”, complementou o governador, que também é o presidente do CCT-PR.

Os setores ligados à área, segundo o governador, devem ajudar a impulsionar o desenvolvimento do Estado e as universidades devem pensar nas profissões do futuro e na nova cadeia tecnológica, com 5G, internet das coisas e inteligência artificial. “Estamos abertos a projetos inovadores e podemos ser indutores para que isso aconteça. Conseguimos pegar esse conceito de governo inovador e queremos consolidar o Paraná como polo tecnológico, logístico e como um grande produtor de alimentos para o mundo”, disse Ratinho Junior.

Fundação Araucária impulsiona a inovação paranaense

Mobilização do sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação para gerar riqueza e bem-estar no Paraná tem sido nossa prioridade, essa é uma das prioridades da Araucária.  São mais de 20 mil doutores e Instituições de Pesquisa amplamente distribuídas no Território paranaense que alavancam ainda mais a posição do Estado nos rankings de desenvolvimento humano e de inovação.

Com isso, a instituição implantou o conceito de Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (NAPIs) que consiste na articulação horizontal mais intensa dos ativos e atores do Sistema. É uma forma de mobilizá-los em torno dos desafios ligados ao desenvolvimento de sete ecossistemas regionais de inovação: litoral, região metropolitana, campos gerais, norte pioneiro, noroeste, sudoeste e oeste.

“Priorizamos parcerias que unem esforços da academia, do governo e do setor econômico, assim como da Superintendência da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Superintendência de Inovação do Estado. Quanto às iniciativas internacionais, o foco é em países e regiões com maior potencial de cooperação com o Estado em diversos segmentos da economia”, ressaltou o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig. Os diretores científico, tecnológico e de inovação e de administração e finanças, Luiz Márcio Spinosa e Gerson Koch, respectivamente, também participaram da reunião.

 

QUESTÕES ESSENCIAIS - Aldo Bona, superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, ressaltou que passam pelo setor questões essenciais do desenvolvimento do Estado. “Com o Conselho temos expectativa de avançar para melhorar a gestão e o foco do financiamento da política de Ciência e Tecnologia”, disse ele. “O desafio é trabalhar por um pensar diferente e um fazer diferente, unindo todas as áreas”.

INVESTIMENTOS – Durante a reunião, a Unidade Gestora do Fundo Paraná (UGF) apresentou o Relatório Operacional Parcial relativo ao exercício de 2019, e a previsão orçamentária para o próximo ano. Também foi anunciada a nova composição do Conselho e foram discutidas as áreas prioritárias de investimento.

Em 2019 a Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio da UGF, administrou um orçamento de R$ 88 milhões até o início de dezembro. O valor foi investido em ciência, tecnologia, ensino superior, Fundação Araucária e Tecpar. A previsão orçamentária do Fundo Paraná para 2020 é de R$ 87,6 milhões seguindo a divisão de 40% para UFG, 40% para Fundação Araucária e 20% para o Tecpar.

APROXIMAÇÃO - O coordenador da UFG, Luiz Cesar Kawano, destacou diversos projetos que receberam investimentos nas áreas prioritárias neste ano e disse que eles já atenderam a determinação de aproximação entre o setor produtivo e a pesquisa.

“Temos 15 áreas prioritárias e enquadramos os projetos a partir de deliberações do Conselho e da extensão universitária. Muitos são oriundos das universidades, como reformas de laboratórios, compra de equipamentos e recursos para pesquisa e extensão para levar o conhecimento para a sociedade”, afirmou.

“Temos em paralelo a Lei de Inovação, que auxiliará a nortear as políticas públicas. Com apoio do Fundo Paraná conseguimos fazer essa interação do setor produtivo e da academia. O enfoque para 2020 deve ser em inovação, mostrar o conhecimento adquirido para auxiliar empreendedores e microempreendedores nos seus processos produtivos”, complementou Kawano.

O Fundo Paraná tem o CCT-PR como órgão de assessoramento superior, sendo responsável pela formulação e implementação da Política Estadual de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PDCT), parte integrante da política de desenvolvimento econômico e social do Estado.

Segundo a Constituição Estadual, 1,5% dos tributos estaduais devem ser aplicados no financiamento de pesquisas científicas e tecnológicas em instituições paranaenses, como o Tecpar, as universidades estaduais e o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

A gestão dos recursos é de responsabilidade da Secretaria de Estado da Fazenda, por meio da Coordenação de Orçamento e Programação (COP), que responde pelo controle e ajustes necessários, visando ao cumprimento do percentual constitucional.

NOVA COMPOSIÇÃO - O Conselho de Ciência e Tecnologia é presidido pelo governador e tem o superintendente Aldo Bona como secretário. Tomaram posse nesta terça-feira outros representantes do Poder Executivo e personalidades dos âmbitos científico, tecnológico, empresarial e do trabalho.

Os novos conselheiros são Valdemar Bernardo Jorge (secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes), Waldemiro Gremski (presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileira), Marcos Pelegrina (assessor da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), Ramiro Wahrhaftig (presidente da Fundação Araucária), Jorge Augusto Callado (diretor-presidente do Tecpar), Carlos Walter Martins Pedro (presidente da Federação das Indústrias do Paraná), Ronei Volpi (diretor da Federação da Agricultura do Paraná), Marcos Junior Brambilla (presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná) e Zenir Teixeira de Almeida (também representante dos trabalhadores).

Para Tecpar, Conselho vai ajudar a gerar riquezas

Jorge Augusto Callado, presidente do Tecpar, também conselheiro, disse que os recursos recebidos pelo fundo estão permitindo a reformulação da fábrica de vacinas antirrábicas, projetos de energias renováveis e biotecnologia, e antígenos de uso veterinário, além dos parques tecnológicos de Jacarezinho e Maringá.

Ele também disse que o CCT-PR vai ajudar a gerar riquezas para o Paraná. “São recursos que incentivam o desenvolvimento de produtos, pesquisa, e que atraem empregos de alto impacto, ocupados por pessoas com muita capacitação, evitando a fuga de talentos do Estado”, arrematou.

 

Fonte: Assessoria da Seti e da Fundação Araucária.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.