Fundação Araucária

03/12/2018

Balanço das atividades marca Fórum do Confap

Foi realizada nesta semana, entre 28 e 30 de novembro, pelo Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a quarta edição de 2018 do Fórum Nacional do Confap. Os dois últimos dias do Fórum foram marcados por apresentações de parceiros, balanço das atividades realizadas e por discussões internas.

Na manhã da quinta-feira, 29, o presidente da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) da UFMG, professor Alfredo Gontijo, realizou a palestra “Fundações de Apoio –  uma jornada para a economia da criatividade em prol do Ensino, Pesquisa e Extensão”. Para o professor, a ciência mudou infinitamente nas últimas décadas, mas a comunidade científica ainda não se adaptou.

“Este ano comemoramos 50 anos da Reforma Universitária de 1958. De lá para cá o cenário mudou, a demanda dos pesquisadores mudou, a realidade mudou. E isso é o que nos move, é o que temos procurado fazer nas Fundações de Apoio”, destaca. De acordo com ele, as Fundações de Apoio são muitas vezes vistas apenas como prestadoras de serviços, fazendo gestão de trabalhos administrativos e financeiros. “Não é o caso da Fundep. Dentro da UEMG, ela é um dos agentes construtores de todo esse cenário de mudanças posto”.

Programa Centelha e Tecnova II

Durante o evento, o gerente do departamento de Programas Descentralizados da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Marcelo Camargo, e o diretor do departamento de Políticas e Programas de Apoio à Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Jorge Mario Campagnolo, apresentaram algumas ações e definições do Programa Centelha, que teve início oficial no dia anterior durante a abertura do Fórum, e também do Tecnova II.

Os proponentes do Tecnova II tiveram até 10 de outubro para enviarem suas propostas. O resultado preliminar foi publicado em 23 de novembro, com propostas de pesquisadores vinculados a diversas FAPs brasileiras tendo sido aprovadas. O objetivo do Tecnova é criar condições financeiras favoráveis e apoiar a inovação – por meio de recursos de subvenção econômica – para o crescimento rápido de um conjunto significativo de empresas de micro e pequeno porte, com foco no apoio à inovação tecnológica e com o suporte aos parceiros estaduais.

Economia e CT&I

Logo após, o membro da equipe de transição do governo do Estado de Minas Gerais, professor Mateus Simões, parabenizou a Fapemig pelo trabalho que tem sido realizado e discorreu sobre as expectativas na área de Ciência, Tecnologia e Inovação para os próximos quatro anos. “Para que nossa bandeira de apoio à Pesquisa ganhe ainda mais força, precisamos cada vez mais alinhar nossas pesquisas a solucionar problemas dos Estados, alinhar às necessidades dos Estado”, ressalta.

Já o presidente do CNPq destacou que um dos pilares que deve unir todos os entes ligados à Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil, é o uso da ciência desenvolvida no País para a solução dos problemas locais e também para a geração de riquezas.

Agências Nacionais

Durante a mesa redonda realizada com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científica e Tecnológico (CNPq) foram apresentados resultados das ações realizadas em parcerias com o Confap. Foi feito um paralelo entre a situação inicial das parcerias e a situação atual, sobretudo no que tange ao Programa Primeiros Projetos (PPP), ao Programa de Apoio a Núcleos Emergentes (Pronem), o Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) e aos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs).

“O programa de apoio aos INCTs é prioritário da presidência da república”, destacou o diretor de Cooperação Institucional do CNPq, José Ricardo de Santana.

O CNPq ainda apresentou algumas possibilidades de parcerias para o próximo ano, como o financiamento de ações regulares e também de ações com foco em inovação. Ao final da apresentação foram assinados acordos entre CNPq e Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect), entre CNPq e Fundação Araucária, entre CNPq e Fapema e entre o CNPq e a Fapergs.

Também foi realizada uma mesa redonda com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Em 2017, nos acordos entre Capes e FAPs, foram executados R$ 80 milhões, em 2018 este número subiu para R$ 85 milhões e, em 2019, será superior a R$ 85 milhões.

“Este valor, apesar de parecer alto, representa basicamente a manutenção das ações que já temos em andamento. Por isso, em outro momento, queremos discutir conjuntamente como será feita a divisão destes recursos do próximo ano”, explicou a coordenadora de programas de indução e inovação da Capes, Priscila Lelis.

Parcerias Internacionais

Durante as apresentações dos parceiros internacionais, o gerente do Fundo Newton no Brasil, Diego Arruda, apresentou algumas ações que estão sendo realizadas no ano Brasil-Reino Unido de Ciência e Inovação 2018-2019, que é uma iniciativa conjunta liderada pelos governos do Brasil e do Reino Unido. O objetivo das ações é celebrar a cooperação científica entres os países.

Também foi apresentada parte das ações desenvolvidas durante a primeira semana do projeto Acelerador Global de Políticas Públicas (Gipa). Como parte destas ações, diversas pessoas vinculadas às parcerias do Fundo Newton no Brasil, incluindo representantes da Fapeg, Fapema, Fapergs, Facepe e Fundect, participaram de uma semana de treinamento neste mês de novembro, no Reino Unido. O treinamento ainda durará nove meses e, para todos os participantes das FAPs, tem sido de extrema importância.

Como novidade, o gerente do Fundo Newton apresentou o novo edital a ser lançado em parceria com as FAPs que inclui o CNPq também como parceiro. Essa nova parceria significa a possibilidade de inclusão de outras bolsas para os pesquisadores que participarem dos projetos fomentados.

A previsão é que o edital Confap/CNPq e Academias Britânicas seja publicado ainda no mês de dezembro. O edital atuará em três linhas de pesquisa: Impacto Social e Econômico a partir da ciência; Ciência a serviço das políticas públicas; e Disseminação e popularização da Ciência.

Durante a tarde, ainda foi realizada uma apresentação do Sistema para diagnóstico da Pesquisa e Pós-Graduação pela empresa Elsevier. Já no período noturno, durante o jantar de comemoração do evento, ocorreu a Fundepar, da UFMG, discorreu aos presentes sobre as suas atividades e um pouco de seu histórico de trabalho.

Discussões Internas

O último dia do Fórum Nacional do Confap foi dedicado às apresentações dos Grupos de Trabalhos do Conselho e a discussão a respeito da chamada pública Confap/ FAPs. Ao final, os presidentes das Fundações gravaram pitchs com as principais ações realizadas em suas Fundações nos últimos anos.

O presidente da Fundação Araucária, Paulo Brofmanf, também entregou à presidente do Confap, Maria Zaira Tuchi, uma placa de homenagem ao Conselho pelas parcerias firmadas com a Fundação do Paraná ao longo dos últimos anos.

Durante a tarde, ainda ocorreu visita às instalações do Núcleo de Inovação Tecnológica da UFMG.

Fonte: Coordenação de Comunicação Social do Confap.

 

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.