Fundação Araucária

22/09/2017

Avaliação da Capes de 2017 comprova a evolução dos programas de pós-graduação do Estado do Paraná

A primeira etapa da última avaliação da Capes relacionada aos programas de pós-graduação do Brasil foi divulgada nesta terça-feira (19). No Paraná foram avaliados 326 programas, sendo que 20 alcançaram a evolução de programas de excelência internacional, ou seja, notas 6 e 7. Destes 20 programas, três obtiveram nota 7 e 17 nota 6.

“Foi com muito orgulho e satisfação que tomamos conhecimento desta avaliação, e não posso deixar de cumprimentar e reconhecer o esforço das Instituições de Ensino Superior, dos Institutos de Pesquisa que têm vinculação com os programas de pós-graduação, e principalmente dos docentes e discentes, que permitiram colocar o Paraná em posição de destaque. A  região sul, repetindo a avaliação de 2013, foi a que apresentou melhor desempenho entre todas, quando nos referimos ao aumento, permanência e diminuição das notas”, disse o presidente da Fundação Araucária, Paulo Brofman.

No Brasil, o Sistema Nacional da Pós-Graduação (SNPG) cresce de forma sustentável e contínua, atingindo o crescimento de 25% no número de programas nos últimos quatro anos - em dados absolutos o sistema avançou de 3.337 para 4.175 programas entre os anos de 2013 e 2016.

No quadriênio apurado por essa avaliação, houve um aumento de 77% no número de cursos de mestrado profissional. O mestrado acadêmico e o doutorado também evoluíram atingindo um percentual de aumento de 17% e 23%, respectivamente.

Mais da metade (51%) dos programas avaliados possuem mestrado e doutorado, totalizando 2.128; O SNPG tem hoje 1.270 programas dedicados exclusivamente ao mestrado acadêmico (30%); 703 são mestrados profissionais (17%) e 74 programas de pós-graduação possuem apenas o curso de doutorado (2%).

A primeira fase da avaliação foi concluída em agosto, após cerca de 40 dias de trabalho das comissões de especialistas, distribuídas em 49 áreas de avaliação. Foram analisados programas com, pelo menos, um ano de funcionamento. As comissões utilizam como base para a avaliação as informações fornecidas de forma contínua pelos programas durante o período avaliado, por meio da Plataforma Sucupira. Os critérios de avaliação consideram cinco quesitos: proposta do programa, corpo docente, corpo discente, produção intelectual e inserção social.

Nessa etapa houve uma mudança no sistema de avaliação que passou a adotar o intervalo de quatro anos entre as análises, período alterado em decorrência da aceleração do crescimento do sistema nacional de pós-graduação.

“Esta avaliação traduz o importante esforço desenvolvido pela comunidade acadêmica e também pelas iniciativas federal e estadual de apoio a esses programas. Quando assumi a presidência da Fundação Araucária sempre externei  que a busca da melhoria e da excelência dos nossos cursos  era uma das minhas metas, e agora, me sinto recompensado por estes  dados divulgados. Isto demonstra que a integração entre a academia, as agências de fomento e o setor produtivo permite que sejam desenvolvidos projetos que trazem benefícios científicos, sociais e econômicos para o Paraná”, finalizou Paulo Brofman.

Fonte: Assessoria de Comunicação da FA/ (Brasília – CCS/Capes).

 

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.